A Decrease font size. A Reset font size. A Increase font size.

Pragas do algodão: como fazer o controle biológico

Pragas do algodao

Você está sofrendo com pragas em sua plantação de algodão e não sabe como fazer o controle biológico?

Confira nesse conteúdo como realizar essa tarefa!

Quais são as pragas mais prejudiciais e como controlá-las?

Bicudo-do-algodoeiro (Anthonomus grandis)

bicudo do algodoeiro
(Fonte: agrolink.com.br)

Considerada a principal praga do algodão, as larvas se desenvolvem no interior de botões e das maçãs. Na forma adulta é encontrada em flores abertas ou protegidos pelas brácteas.

O principal prejuízo é a queda de botões florais atacados, caracterizados pela presença de perfurações de alimentação da praga, além da destruição de fibras e sementes dentro dos capulhos atacados.

Como controlar o Bicudo-do-algodoeiro?

Uma das principais medidas é o plantio-isca, que atrai e elimina os bicudos com inseticidas antes do cultivo definitivo. Como forma de controle químico, é recomendado o uso de inseticidas. Dica: antecipe o preparo do solo em pelo menos 40 dias. Isso faz com que sejam eliminados os refúgios do bicudo, desalojando-os da área.

Importante escolher inseticidas seletivos ou defensivos naturais!

Após a colheita, deve-se eliminar os restos culturais e assim não proporcionar a praga condições de alimentação e refúgio, reduzindo a infestação nos cultivos subsequentes.

Broca da raiz (Eutinobothrus brasiliensis)

Broca da raiz
(Fonte: Agrolink)

A broca da raiz faz galerias na região do colo das plantas. Nesses locais as fêmeas criam orifícios e depositam seus ovos. Causam danos do murchamento das plantas novas e nas mais desenvolvidas apresentam folhas avermelhadas e murchas.

Solo úmido e áreas de baixada, assim como locais de plantio direto e que não se fez a destruição de restos culturais, favorecem o surgimento da praga.

Como controlar a Broca da raiz?

O controle da broca da raiz pode ser realizado integrando os métodos culturais e químicos.

Mosca-branca (“Bemisia tabaci” biótipo B)

mosca-branca
(Fonte: Agrolink)

Considerado como a praga do século, é uma espécie presente durante todo ano agrícola. Com aproximadamente 1 mm de comprimento, possui 4 estágios de ninfa, sendo o primeiro móvel.

Os danos no algodão podem ser diretos, como: sucção de seiva que pode resultar no enrolamento de folhas jovens e a formação de uma substância açucarada (mela ou honeydew), comprometendo diretamente a qualidade da fibra devido o desenvolvimento de um fungo conhecido como fumagina.

E também causa dano indireto, pois a mosca-branca é vetor da virose “mosaico comum” do algodoeiro e quando as plantas são infectadas, podem apresentar redução no porte e na capacidade fotossintética.

Tempo quente, nublado e relativamente úmido, além da ausência de inimigos naturais, são condições ideias para o desenvolvimento e multiplicação da mosca-branca.

Como controlar a Mosca-branca?

O seu controle pode ser realizado por meio de aplicações foliares do inseticida biológico Beauveria Oligos®, isoladamente ou em combinação com inseticidas químicos.

embalagem

Pulgão do algodoeiro (Aphis gossypii)

Pulgão do algodoeiro

Uma das principais pragas do algodão. Surge no início da cultura e uma fêmea pode originar até 100 ninfas em 10 dias. É um inseto que se apresenta desde o amarelo-claro até o verde-escuro.

Normalmente, eles se localizam na face inferior (abaxial) das folhas e nos brotos novos das plantas onde sugam a seiva.

Causam sintomas como: folhas dos ponteiros enrugadas, enroladas ou encarquilhadas, brotos deformados e presença de mela nas folhas inferiores por consequência da sucção contínua da seiva.

Pode também ocorrer a transmissão de viroses como o “vermelhão” e “mosaico das nervuras”.

Tempo quente, nublado e relativamente úmidos são condições ideias para o desenvolvimento dos pulgões, além da ausência de inimigos naturais.

Como controlar o Pulgão do algodoeiro?

O nível populacional tolerado do pulgão é de 1 por cm2 de folha em média, valores acima deste estimado exigem a pulverização de inseticidas.

Para um bom desempenho do cultivo, o controle dos pulgões deve ser feito até 60 dias a partir da emergência das plantas, e retomado próximo ao final do ciclo da cultura para impedir a formação de fumagina e a perda de qualidade da fibra. Seu controle pode feito por meio de inseticidas químicos.

Oligos Biotec

A Oligos Biotec tem o propósito de fornecer produtos para oferecer ganhos de produtividade, baixo risco ao desenvolvimento de resistência das pragas, com respeito ao agricultor, ao meio ambiente e ao consumidor!

Quer saber mais sobre a Oligos e conhecer nossos produtos? Entre em contato com a nossa equipe!

Este artigo foi útil?
Avalie

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.


Posts Relacionados

Dicas

Agroecologia: plantar respeito para colher saúde

Uma produção agrícola que se preocupa não apenas com a preservação do meio ambiente, mas também com a qualidade dos produtos e a saúde do consumidor, essa é a agroecologia. Assim como a agric [...]

Dicas

Pragas da cana-de-açúcar e as táticas de controle

Assim como os principais cultivos comerciais, a cultura da cana-de-açúcar não está imune ao ataque de pragas, que caso não sejam controladas, podem resultar em grandes perdas de produtividade, re [...]

Dicas

Controle biológico: tudo o que você precisa saber

Graças ao avanço da biotecnologia, o mercado biológico continua promissor no ano de 2021. Segundo pesquisa realizada pela Consultoria Blink Projetos Estratégicos, o setor deve crescer 33%. De acor [...]